12.3.18

Projeto Amor Próprio - @opadraoeserfeliz

Hey Guys, como estão? 
Como foi o fim de semana de vocês? Eihm, me conta! :) 

Vim aqui trazer uma entrevista INSPIRADORA para vocês do Projeto Amor Próprio. 
Espero que vocês estejam adorando este projeto, porque eu estou encantada e inspirada. 

Lembrando que O projeto é uma forma de trazer um pouco mais sobre autoaceitação, gordofobia e emponderamento aqui para vocês e de um jeitinho todo especial, com histórias reais de pessoais reais. 

Nossa entrevistada de hoje é a maravilhosa Kinha Souza (no instagram @opadraoeserfeliz) 

Significado de felicidade :s.f. qualidade ou estado de feliz; estado de uma consciência plenamente satisfeita; satisfação, contentamento, bem-estar.



1 - Como começou o seu processo de aceitação em relação ao seu corpo? 

Quando eu dei um basta para as humilhações e chacotas.
Passei a enxergar meu corpo de uma forma diferente. Vi que não era tudo aquilo que as pessoas diziam.

2 - Na sua infância você sofreu algum tipo de bullying por causa do seu peso? Que marcas isso deixou em você? 

Sofri e ainda sofro, principalmente por parte dos meus parentes. 
Até os meus 16 anos, eu era muito complexada, achava que nunca iria reconhecer meu reflexo no espelho. Mas hoje com 24, estou livre de tudo.

3 - Em relação a sua família, há/ou houve algum tipo de pressão para emagrecer? 

Foi como eu disse na segunda resposta, eu ainda sofro essa pressão... Pra eles é impossível eu ser gorda e saudável.

4 - Você já passou por alguma situação que considera constrangedora por causa do seu peso? 

Sim! Um exemplo bem "comum" é em transporte público, algumas pessoas evitam sentar ao meu lado, ai chegava ao ponto da condução está cheia, e ter um lugar vago ao meu lado (eu não acho ruim sobra mais espaço).

5 - Já pensou ou tentou medidas extremas para perda de peso? (dietas malucas, remédios, cirurgia, excesso de exercícios...) Isso foi prejudicial a sua saúde? O que te levou a isso?

Já fiz várias dietas e inventei algumas também... A que as pessoas mais achavam doida era a dieta do Nescau, eu tomava 3 copos de Nescau por dia, e só! 
Depois de uma semana, eu comecei a me sentir muito mal, pois eu não me alimentava, meu corpo sentia falta das proteínas e nutrientes, por pouco, não acontecia algo ruim. 
Isso aconteceu nessa fase dos 16 anos, tinha acabado de terminar um namoro, e juntou tudo. O fim do namoro, meus parentes me perturbando.


6 - Quem mais te apoia neste processo de aceitação? 

Minhas amigas & meu namorado.

7 - O que positividade corporal significa para você e como você pratica isso no seu dia-a-dia? 

A positividade corporal, significa tudo! 
Busco todos os dias, parar, nem que seja um segundo, e admirar minhas fotos (tem vezes que faço isso, pelo menos umas 10 vezes,JURO!) 

Poder olhar todos os dias para minha barriga, e poder dizer que eu a amo, é libertador.... Olhar meu reflexo e me reconhecer, é maravilhoso.

8 - Quais os tipos mais frequentes de gordofobia que você encontra no seu cotidiano? 

Olhares tortos, piadinhas... Quando uso uma blusa que mostra minha barriga, as pessoas olham com nojo. 
Dizem que gorda não tem esse direito. Que eu deveria ter senso do ridículo.

9 - O que as pessoas podem fazer para apoiar o movimento de aceitação corporal e mudar esses estereótipos e comportamentos enraizados? 

A primeira coisa, é desconstruir esse conceito de CORPO PERFEITO! 
Segundo, incentivar o amor próprio. 
Terceiro ajudar, pessoas que passam por situações constrangedoras. 
As vezes é mais fácil afundar quem já esta caído, do que ajudar a pessoa a se levantar.

10 - Se você pudesse mudar uma coisa sobre como as pessoas gordas são vistas pela sociedade, o que seria? 

A INCAPACIDADE! 
Já deixei de conseguir um trabalho por ser gorda. 
Os contratantes acham, que a pessoas gordas não tem força, iniciativa, agilidade.


11 - Há um debate na comunidade de positividade corporal sobre usar a palavra "gordo" para se descrever. Como você usa essa palavra? 

EU SOU GORDA! 
Não sou fofa, não sou gordinha, não sou cheinha... SOU GORDA! 
As pessoas buscam "N" adjetivos, por receio de nos ofender, só que eles não entendem que GORDA NÃO É OFENSA. 
Crescemos com esse "padrão" que chamar alguém de gorda é ofensivo.

12 - Qual conselho você daria para quem está começando este processo de aceitação? 

RESISTA! 
Não vai ser fácil, vão dizer que é loucura uma gorda se amar, mas tape os ouvidos. 
Lembre- se que a única opinião que importa é a sua!


Lembrando que projeto amor próprio tem como intuito mostrar para os leitores, não leitores e aqueles que caem de paraquedas aqui no Dreamy Fearless que não importa se você é GORDO, MAGRO, NEGRO, BRANCO, ASIÁTICO ou ETC, o que importa é o que você é por dentro, quem você é. 

SOMOS TODOS IGUAIS e a sociedade precisa aprender a 
conviver com isso! 
Vamos começar pela gente e levar essa lição adiante? Conto com vocês.

Eu agradeço de coração a Kinha Souza por topar entrar neste projeto comigo, precisamos nos unir sim, pois só assim iremos mostrar para a sociedade que eles não podem mais nos derrubar.
Quem quiser acompanhar a Kinha no Instagram é so Seguir AQUI 

Nós acompanhe também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário