8.2.19

Gakkou Gurashi: Por que eu devo assistir?


     E ai, galeris, vocês gostam de zumbis? E, que tal uma trama complexa, cheia de suspense que irá te fazer ficar ainda mais curioso a cada episódio? Esse é Gakkou Gurashi.


      Antes de deixar vocês ainda mais curiosos, devo explicar que Gakkou Gurashi é um anime. Antes de continuarmos, vou explicar rapidinho o que é anime.  Anime, seria basicamente as animações produzidas no Japão. No Brasil, os animes começaram a ficar mais populares por meados da década de 1980.
       Por exemplo:       
Dragon Ball


Naruto


Pokémon

Sobre o anime:
•Gênero: Horror, drama, suspense
• Autor: Norimitsu Kaihou
• Episódios: 12
• Status do anime: Finalizado


Sinopse:
    A história mostra o cotidiano de quatro garotas colegiais, Yuki Takeya, Kurumi Ebisuzawa, Miki Naoki (Também conhecida como Mii-kun) e Yuuri Wakasa, que é a líder do grupo. Que residem em sua escola devido a uma tragédia que se espalhou pelo local, transformando a população inteira em mortos-vivos. Yuki, a protagonista, após ver toda essa tragédia com seus próprios olhos acaba traumatizada e o resultado disso é uma fadiga mental que acaba fazendo-a ver o mundo de uma forma diferente. Como suas amigas não sabem como lidar com a situação é fundado o "Clube de Vida Escolar" por influência de Megu-nee Sakura, professora delas e uma das sobreviventes. No decorrer da história é contado vários acontecimentos. Como por exemplo o motivo do trauma de Yuki, como todas conheceram Miki e como ocorreu a morte de Megu-nee.

Porque assistir?
      Não vou conseguir fazer uma parte separada analisando esse anime (como geralmente faço quando vou dar uma sugestão), pois os pontos que seriam focados na própria analise, são os que motivam a assistir.

  
   Um aspecto bastante interessante explorado no anime é o estresse pós traumático. Yuki, que seria a remanescente “mais velha” desse club, tem uma visão completamente diferente do que está acontecendo ao seu redor, em relação as outras meninas, e as outras integrantes do grupo levantam várias vezes no decorrer do anime a discussão sobre a sua saúde mental, e a possível existência do transtorno.

    
  O diferencial a respeito do anime trabalhar com o transtorno é que, geralmente, quando assistimos alguma obra sobre zumbis, ou o fim do mundo em si, é muito comum os sobreviventes passarem por um rápido momento de assimilação da situação atual e, logo partirem para a luta. Não há um aprofundamento sobre esse esgotamento mental e emocional que a situação pode vir a causar. Afinal, esse tipo de situação deve influenciar de maneira diferente cada indivíduo.

   
  O anime trabalha com essa dualidade de visões sobre a situação que as personagens estão vivendo desde sua abertura, sendo que há, uma mudança gradual nos traços e cores, e até mesmo na movimentação da escola.


    Outro ponto interessante do anime, é a amizade das protagonistas. Geralmente, nos é mostrado desavenças ou até mesmo um clima estranho quando um grupo é formado em meio ao caos do apocalipse, mas em Gakkou Gurashi isso não acontece. Há, na verdade, uma amizade construída e apoio mútuo, na qual as protagonistas tentam auxiliar Yuki, e lidar com seus próprios traumas, afinal, todas são bem jovens, e estão lidando sozinhas com solidão que um mundo a beira do apocalipse pode trazer. 

    
 As protagonistas, em todos seus planos, e nas maneiras como irão lidar com a situação, tendem a levar em conta e considerar como Yuki será afetada, ou até mesmo, como podem minimizar o impacto do estresse sobre ela. Claro que, isso não funciona em todos os momentos, mas a preocupação pelo bem estar uma das outras, é um dos grandes diferenciais do anime (além de dar aquela aquecida no coração por ver uma amizade feminina tão bonitinha).

      
       Bônus:
       O anime conta com o cachorro mais amorzinho <3



       Galeris, fica a dica desse anime, e espero que gostem dele tanto quanto eu. Qualquer sugestão de livro, filme, anime, série, que vocês querem ver aqui no blog é só deixar nos comentários ou nas nossas redes sociais.

Nós acompanhe também:




Nenhum comentário:

Postar um comentário