2.4.19

Projeto Amor Próprio com @ohananatureza

Hey Guys, como estão? 
Sempre que é dia de projeto por aqui eu fico radiante!  

Para quem é novo por aqui e não sabe o projeto é uma forma de trazer um pouco mais sobre autoaceitação, gordofobia e emponderamento aqui para vocês e de um jeitinho todo especial, com histórias reais de pessoais reais. 

A maravilhosa de hoje é a Ohana (no instagram, ohananatureza), além de linda, empoderada ainda é professora e atriz,
 não é pouco não 

Significado de amor próprio :s.m. sentimento de dignidade, estima ou respeito que cada qual tem por si mesmo.


1 - Como começou o seu processo de aceitação em relação ao seu corpo? 

Começou aos 21 anos. Fazer terapia foi fundamental pra esse processo. As pessoas sempre acharam que eu me relacionava bem o meu corpo, mas não era verdade. Eu fingia pra elas, como fingia pra mim . A Ohana de hoje surgiu embaixo de muito lágrima. É um processo longo, faço no meu tempo. Os padrões são diariamente impostos e a minha desconstrução em relação a eles também é. 

2 - Na sua infância você sofreu algum tipo de bullying por causa do seu peso? Que marcas isso deixou em você? 

Muito! Incontáveis vezes. Isso contribui pra boa parte dos meus traumas. Na minha infância não se tinha consciência do quanto isso afetava o emocional de uma pessoa. Acho que evoluímos nesse sentido. Espero que as crianças do futuro cresçam com mais empatia e amor pelas diferenças. 

3 - Em relação a sua família, há/ou houve algum tipo de pressão para emagrecer? 

Toda hora, todo dia. Um olhar que repreende determinadas comidas, uma fala pautada em uma preocupação com a obesidade, uma crítica estética... Os motivos são diversos e diários. 

4 - Você já passou por alguma situação que considera constrangedora por causa do seu peso? 

Comprar roupa em qualquer loja, que não seja pra público plus size, pra mim é um constrangimento. Mas acho que o maior deles foi quando um homem, que estava sentado ao meu lado no ônibus, levantou e mudou pro banco ao lado, que também estava ocupado. Ele ficou claramente incomodado quando sentei. Se mexeu o máximo que pode, acho que em uma tentativa de me demonstrar o seu desconforto, e ao perceber que eu ignorei ele levantou. 

5 - Já pensou ou tentou medidas extremas para perda de peso? (dietas malucas, remédios, cirurgia, excesso de exercícios...) Isso foi prejudicial a sua saúde? O que te levou a isso? 

Sim. Muito! Tem inclusive um texto que postei no Instagram, onde me desculpo com o meu corpo por todas essas tentativas. Acho que teve danos grandes, principalmente pra minha saúde mental. Precisamos cuidar dessa máquina chamada corpo, isso é fundamental. Mas é importante dizer que todos esses métodos fazem tudo, menos cuidar da gente. Eu não fui saudável executando nenhum deles.


6 - Quem mais te apoia neste processo de aceitação? 

Meu noivo e a minha psicóloga, que hoje virou uma amiga. Eles foram fundamentais pra construção da minha auto estima. O Thiago tá comigo pra tudo. Tenho certeza que ele me amaria com qualquer número de manequim. 

7 - O que positividade corporal significa para você e como você pratica isso no seu dia-a-dia? 

Significa amar cada parte dessa casa que abriga nossa alma. Eu aprendi a me olhar com mais generosidade. Todo dia eu amo uma parte do meu corpo e aceito todas as marcas que ele traz. Tem coisa mais positiva que o amor? Meu corpo é amado. Meu corpo é amor. 

8 - Quais os tipos mais frequentes de gordofobia que você encontra no seu cotidiano? 

Comentários grosseiros disfarçados de preocupação. Isso é o mais comum na minha rotina. 

9 - O que as pessoas podem fazer para apoiar o movimento de aceitação corporal e mudas esses estereótipos e comportamentos enraizados? 

Acho que o primeiro passo é respeitar a diferença do outro. Somos seres únicos e esse é o grande barato. É preciso empatia pra entender o que dói no outro e ajudar a mudar essa realidade. Ouvir! Ouvir! Ouvir! E depois entender que juntos, independente dos padrões, somos muito mais fortes e melhores. A real beleza se encontra na diversidade. 

10 - Se você pudesse mudar uma coisa sobre como as pessoas gordas são vistas pela sociedade, o que seria? 

Sociedade, nós não somos só legais, somos SEXYS! Nossa beleza é IMENSA!


11 - Há um debate na comunidade de positividade corporal sobre usar a palavra "gordo" para se descrever. Como você usa essa palavra? 

Durante muito tempo achei que era algo negativo. Desconstruí isso em mim. Sou gorda! É a minha características física. Tá tudo bem! 

12 - Qual conselho você daria para quem está começando este processo de aceitação? 

Temos muitos exemplos incríveis de aceitação. Essas pessoas e as as suas lutas diárias, são maiores, mais potentes e inspiradoras do que qualquer conselho que eu consiga descrever. Procure por elas. Você é incrível EXATAMENTE como é. Acredite. O amor próprio é um caminho difícil, mas sem volta. Desejo que você encontre o seu.



A vibe da Ohana é uma delicia né? Esse sorrisão conquista qualquer um. 
Agradeço demais tua participação no projeto, juntos somos mais fortes! 

Obrigado por participar do Projeto, trazer um pouco da sua historia e compartilhar conosco. 

projeto amor próprio tem como intuito mostrar para os leitores, não leitores e aqueles que caem de paraquedas aqui no Dreamy Fearless que não importa se você é GORDO, MAGRO, NEGRO, BRANCO, ASIÁTICO ou ETC, o que importa é o que você é por dentro, quem você é. 

SOMOS TODOS IGUAIS e a sociedade precisa aprender a 
conviver com isso! 
Vamos começar pela gente e levar essa lição adiante? Conto com vocês.

E pra quem quiser acompanhar a Ohana lá no Instagram é so Seguir AQUI

Nós acompanhe também:



Nenhum comentário:

Postar um comentário