23.5.20

A culpa não é minha

Oi, oi, oi, como vai você?

Espero que esteja bem, na medida do possível, eu sei que em meio a tudo isso é difícil.
O texto de hoje é pesado, pelo menos pra mim, espero que você não se identifique com ele.


Tem dias que a esperança falha,
A gente tropeça e caí.
Engolimos tanto choro,
Tantos sapos, tantas falas,
Que a gente engasga.
A gente sufoca.
O peito doí, a garganta seca,
A gente deixa pra pensar depois,
A gente tenta deixar pra lá,
Enterra e ora, pra ficar enterrado.

Mas não fica, nunca fica,
E um dia volta.
Um dia algo faz lembrar,
Alguém fala, alguém lembra,
E tudo aquilo que você nunca disse,
Você ainda é incapaz de dizer em voz alta.
E agora, parece enorme,
Maior que você,
Machuca mais que antes,
Queima, arde, castiga, cega.

E se a culpa for minha?
Eu sou suja?
Eu sou indigna?
Eu sou má?
Eu que causei isso?
Eu provoquei?

Eu nunca falei,
Eu ainda não sei falar,
Doí demais e eu não sei lidar.

Mas e o resto?
E as coisas boas?
E o tudo mais que aconteceu?
Deixa de valer?
Apaga o que aconteceu?
Eu devo esquecer?

Eu não consigo,
Eu tento e não dá.
E agora eu não gosto de mim,
Minha pele, minha alma,
Meu corpo, meu cabelo,
Tudo está manchado e eu?
Eu não sou boa.
Eu não sou digna.
Eu sou suja.
Eu tenho nojo de mim.

E como é que eu vou,
Ser capaz de olhar?
Se nem pra mim, eu consigo mais?
Eu sei, eu preciso de ajuda
Mas se nem pro travesseiro,
Eu tive coragem de falar.
Como farei isso com um estranho?
Esperar e morrer sufocada?
Agonizante e lentamente?
Já está acontecendo.
Falta muito pra terminar?

A cula não é minha,
Mas ela não me deixa,
Ela me faz pensar que a errada sou eu
Que eu quem causei tudo isso
A culpa não é minha,
Mas ela me acompanha, 
Como se fosse minha sombra
Minha amiga.


Com todo esse distanciamento, essa solidão, esse afastamento, pra quem pode e consegue ficar em casa, as vezes desenterra problemas antigos, traumas antigos.
A gente não sabe como se sentir e tudo parece horrível.
Você não está sozinho e se alguém te fez algo, independente do que for, a culpa não é sua, a culpa nunca é da vítima, não importam as circunstâncias atenuantes, violência, maldade, e outras coisas, a culpa é sempre do agressor, nunca da vítima.



Fica bem, beba água, se puder fica em casa e espero que sua família esteja a salvo dessa pandemia e ainda tenha condições de se suster, que a Deusa abençoe vocês, independente da sua religião ou crença, fica bem e que Deus esteja contigo.




Nós acompanhe também:


Nenhum comentário:

Postar um comentário